Você não sai de mim


Eu não gosto mais de você. Em um mundo paralelo saudável, eu até te odiaria. No meu dia a dia, fico com cada vez mais preguiça de você. Mas a verdade, a verdade mesmo, é que você continua entalado em minha garganta como uma espinha de peixe da qual não consigo me livrar. Já tossi, já tentei farinha, água, pronto socorro. Nada foi suficiente para te tirar de mim. Uma hora, te deixei ali, como se tivesse acostumado; eu até conseguia respirar numa boa com você preso ao meu corpo. O problema todo é que você nunca deixou mais ninguém entrar. E aí meu organismo foi adoecendo por falta de outros e excesso de você.

Fui ao médico outro dia, tentar mais uma medida desesperada. No exame de raio X, a verdade que eu nunca quis admitir: todas as minhas expectativas continuam aqui, adoecidas e guardadas em um lugar da minha mente que meu cérebro já não me deixa ter mais acesso. No meu estômago estão todas as vezes em que eu tentei te ter para mim e não foi suficiente - minha gastrite deve ter uma culpa só: minhas decepções com você.

Tem lembrança demais aqui dentro. Não uma lembrança alegre e feliz, como eu vivo tentando me enganar. Têm as mil lágrimas que derramei por você e as dez mil que prendi. Tem um caminhão todo de carinho que despejei nos meus pulmões depois que te vi virar as costas pela última vez. Na época, achei que o pó de amor viraria esperança e eu correria atrás de você de novo. Mas depois que fui parar no hospital por não conseguir respirar direito, o médico mandou abandonar o vício e deixar o pó e você pra lá.

Eu não gosto mais de você. É isso que eu queria te explicar. Mas eu gosto do meu passado de amor por você. Eu gosto de tudo que eu lutei para conseguir ficar por perto. Eu gosto de como fui insistente, de como me dediquei, de como me esforcei. Eu gosto porque, de alguma maneira doentia, isso me mostra que da minha parte eu sei amar. A culpa é só do meu coração que escolhe as piores pessoas, aquelas que não têm vocação nenhuma para o amor.


Um dia eu te arranco de vez de mim. E me livro de todo o nosso passado, que sempre foi tão mais meu do que seu. Um dia eu consigo deixar que os outros entrem e você finalmente vai esvaziar cada órgão do meu corpo com as milhares de expectativas que eu ainda guardo de você. Pode ser que hoje não, que hoje você continue entalado em mim. Mas que saiba que eu já não gosto de você. Em um mundo paralelo saudável, eu até te odiaria. E em um mundo ideal de verdade, eu finalmente seria totalmente indiferente a você. 

Texto da maravilhosa Karine Rosa

2 comentários:

  1. essa parte: Um dia eu te arranco de vez de mim. E me livro de todo o nosso passado, que sempre foi tão mais meu do que seu. <3
    http://www.quartoemanexo.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Resume tudo né? Me apeguei a cada palavra desse texto por tanto tempo haha

      Excluir